Você já ouviu falar do pé torto posicional?

O pé torto
O pé torto posicional  é uma condição que afeta cerca de 1 em cada 1.000 crianças.   Para a maioria, o termo pé torto traz à mente uma deformidade óssea , uma anomalia estrutural que requer intervenção frequentemente agressiva intensiva. Mas o pé torto posicional tratasse de um  pé flexível “normal”, que foi gerado ao longo do tempo em uma posição anormal no útero. Quando a criança nasce, devido ao posicionamento prolongado, mais comumente apresentarem um ou ambos os pés em uma posição anormal de descanso. O alinhamento ósseo não é afetado e a posição do pé geralmente é corrigida com tratamento conservador (um programa abrangente de alongamento, amplitude de movimento, rolamento de peso, e massagem). Essa gestão  requer tempo e atenção para anular as restrições posicionais impostas durante o tempo de comprimido do bebê no útero. O prognóstico a longo prazo do pé torto posicional revela mais casos que se resolvem sem anormalidades na marcha conforme a criança amadurece e se desenvolve
O pé torto posicional pode ser passivamente colocado em ponto morto

Muitas famílias cujos filhos foram diagnosticados com pé torto posicional tem dito que todos os pés tortos são tratados de maneira uniforme (apesar da apresentação individual), sendo tratados com (gessos, aparelhos ortopédicos e cirurgia), sem permitir que esta benigna e muitas vezes condição totalmente reversível fácil de se resolver com o tratamento muito mais conservador ainda.

Com um excelente prognóstico, o fato de que as crianças com pé torto posicional respondem tão bem a estratégias conservadoras, este deve ser um diagnóstico apresentado com garantias sobre os resultados. Cuidados colaborativos trabalhando diretamente com as famílias para ensinar estratégias de intervenção que podem construir em suas rotinas diárias a garantia dos melhores resultados possíveis.  As etiquetas podem ser enganosas e o diagnóstico de pé torto abrange as condições que diferem amplamente na apresentação, anatomia, envolvimento neurológico, gravidade e prognóstico.   Estas apresentações diferentes requerem intervenções muito diferentes.   Tratar todas as crianças com o diagnóstico geral “pé torto” da mesma maneira é errada e às vezes prejudicial. 

Apresentação pé torto congênito

A classificação do pé torto divide-se em quatro categorias únicas.

pé torto posicional  refere-se a um pé flexível tipicamente desenvolvido devido ao posicionamento prolongado no útero, sem qualquer anormalidade anatômica. Isso é muitas vezes associado a um ambiente uterino restritivo (em múltiplos, bebês maiores, ou anomalias uterinas).

pé torto idiopático refere-se a uma condição congênita isolada, com um pé rígido com  anormalidade óssea deformidade presente no nascimento, mas não está relacionado com qualquer causa ou síndrome neuromuscular.

pé torto  neurológico refere-se a uma apresentação associada com deficiências sensoriais e motoras ou simultâneas, como no caso de uma criança com espinha bífida.                                               

pé torto Sindrômico refere-se a uma apresentação associada com maiores descobertas e envolvimento de outros problemas músculo-esqueléticos, como no caso de artro gripose.

Enquanto o pé torto posicional tem um excelente prognóstico com tratamento conservador, idiopático, neurológico e pé torto sindrômico exigem uma abordagem completamente diferente, baseado inteiramente na apresentação individual de cada criança.  

“Deve haver dois objetivos simples a longo prazo no tratamento de crianças com pé torto. Em primeiro lugar, o pé deve estar livre de dor durante as atividades da vida diária. Em segundo lugar, o pé deve permitir a criança andar o mais próximo possível do normal, correr com os colegas, e para participar das atividades típicas da infância, adolescência e idade adulta, finalmente. “E, no entanto estes tratamentos invasivos ainda estão sendo realizados e apresentados como as únicas opções para crianças com pé torto.Objetivo em trabalhar com crianças com pé torto posicional deve ser o de restaurar em cada criança a sua capacidade funcional máxima e proporcionar as famílias as ferramentas e recursos necessários, como eles são uma parte fundamental no sucesso do tratamento. Ao agrupar todos os casos de pé torto em conjunto, e não compreender como muito diferente dos componentes subjacentes de cada caso, estamos causando mais danos do que benefícios.  É preciso tratar pé torto posicional  como uma condição única e evitar tratamentos intensivos e agressivos que não demonstraram qualquer mínimo de sucesso nesta população. O início precoce da terapia física, educação completa e envolvimento da família e um plano individualizado de tratamento conservador são aspectos essenciais dos cuidados ao pé torto posicional.

 

Anúncios

A Associação Primeiro Passo é uma entidade civil que nasceu do desejo de muitos pais de crianças com pé torto congênito que foram tratadas pelo método Ponseti e tem como intuito multiplicar, incentivar e difundir esta técnica de tratamento em meios médicos e não médicos. A APP funciona regularmente sob o CNPJ 12.950.014/0001-55. Uma meta idealizada pela Associação é que o método de Ponseti fosse assimilado e realizado corretamente por profissionais pelo SUS e ficasse disponibilizado a todo cidadão brasileiro. Enquanto esse ideal ainda não é uma realidade, todavia, fazemos esforços para divulgar o tratamento do pé torto congênito pela técnica de Ponseti, atuando na detecção precoce desta alteração ortopédica, no suporte e facilitação de centros de tratamento intersetoriais no Brasil e no exterior. A meta mais abrangente de nossa visão de entidade civil é promover a erradicação do pé torto congênito não tratado, no Brasil e no mundo.

Marcado com: , ,
Publicado em INFORMAÇÕES, NOTÍCIAS
13 comentários em “Você já ouviu falar do pé torto posicional?
  1. Juliana Aguiar Kuviatz disse:

    Bom dia. Meu nome é Juliana. Meu filho nasceu com os dois pés tortos posicionais, o direito mais que o esquerdo.
    Moramos em Cuiabá, e quando o João nasceu a pediatra nos disse que era uma questão de posição dos pé dele durante a minha gestação.
    A pediatra nos explicou o que era, e optamos por exercícios em casa para ajudá-lo.
    João já está com 4 meses e o pezinho direito ainda está bem para dentro.
    A pediatra do João nos indicou um ortopedista, que nos deu 2 opções, que na verdade é uma: fisioterapia e gesso, e o gesso.
    Nós ficamos meio em choque, pq nos sentimos culpados e negligentes por não permitir que nesse momento o João não aproveite as brincadeiras, o engatinhar, entre outras coisas.
    Eu e meu esposo não queremos nosso filho engessado sem que tenhamos esgotado todas as opções.
    Consultamos outro orto e ele nos disse a mesma coisa.
    Precisamos de ajuda, pois queremos que nosso filho melhore, mas sem que isso seja penoso para ele.
    Obrigada por me deixar desabafar

  2. Talita disse:

    Bom dia, Eu gostaria de algum email, face ou whatss, para contato com alguma mãe.

  3. Adriana disse:

    Boa tarde! O pé torto posicional pode ser diagnosticado em ultrassom?

  4. Pamela Priscila de Albuquerque disse:

    Meu filho nasceu com pe torto posicional, o direito, ..fez 2 trocas de gesso e depois o médico falou pra fazer exércicio em casa..pois o pezinho dele era molinho e nao precisava demais…só q estou bem insegura com medo de piorar mais tarde… vcs teriam uma orientação sobre os tipos de exercícios pra ajudar nao voltar???estou fazendo 1 que ele me ensinou umas 5 vezes ao dia…

    • Bom dia! O diagnóstico seguro do pé torto deve ser feito por um ortopedista pediátrico experiente no tratamento para pé torto. Normalmente o pé torto posicional volta a posição conforme o crescimento, alguns ortopedistas optam por 1 ou 2 manipulações com gesso para correção mais rápida. Acredito que seria importante buscar uma segunda opinião já que foi feito as manipulações com gesso e ainda não obteve a correção, isso se o pé for posicional mesmo. Gostaria de uma indicação medica treinada? me informe seu estado por favor.

  5. Aline disse:

    Minha filha tem 2 meses e tbm nasceu com pezinho tortinho bem flexivel, conforme ela vai se movimentando vai mexendo pra dentro.ela é acostumada a dotmir de bruços desde a maternidade sera que pode piorar?
    Faço masagem todos os dias varias vezes por dia.

  6. Claudia disse:

    Oi, Eu tenho 18 anos e nasci com um pé torto eu queria saber se ainda tem jeito ? Eu já fiz uma cirurgia assim que nasci mas não ficou bom, é o meu sonho ficar boa 😭😭😭

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Follow Associação Primeiro Passo on WordPress.com
%d blogueiros gostam disto: